Buscar
  • Colégio Santa Rosa

Nasci, cresci, voei: 35 músicas para cada fase das crianças




Lidar com cada fase de desenvolvimento das crianças pode ser sempre desafiante, já que diferentes infâncias trazem diferentes demandas. Conduzir o desfralde, introduzir alimentos ou iniciar o desmame são só algumas das situações onde muitas dúvidas e dificuldades podem surgir, dando espaço para a arte virar uma grande aliada tanto dos pequenos quanto dos pais e educadores na hora de abordar temas considerados difíceis.


Dos livros às músicas ditas infantis, os grandes marcos do crescimento se tornam matéria-prima para produções artísticas voltadas às crianças. Não por acaso, os maiores nomes da música dedicaram incontáveis obras inspiradas na hora do banho, de dormir ou de comer, só para dar alguns exemplos. Chico Buarque, Noel Rosa, Arnaldo Antunes, Palavra Cantada, Grupo Rumo, Tiquequê, Badulaque, Grupo CRIA, entre outros, estão na lista daqueles que compuseram canções baseadas nas fases do desenvolvimento infantil.


Ainda que a arte não nasça com o propósito deliberado de ter uma utilidade específica, as criações artísticas são caminhos interessantes para ampliar o olhar da criança, estabelecer conexões, incentivar reflexões além do senso comum e gerar identificação com personagens que vivem as mesmas experiências.


Pensando nisso, listamos algumas delas. São músicas divertidas sobre assuntos pertinentes do universo infantil para ajudar os pais a lidar com cada fase de desenvolvimento das crianças.

Dá o play nesta lista de música para cada fase das crianças!

Gestação

Dois corpos em um só, onde o maior ganha um novo significado: o de lar.

  • “A Mãe” – Grupo CRIA

“No início, o mundo era um berço E a benção, sua aparição Depois, na cama, veio o medo Que havia da escuridão”


Nascimento

O primeiro marco do desenvolvimento infantil. A fase das crianças que mais gera ansiedade em pais e rede de apoio. Em cada nascimento também nasce uma mamãe e um papai, o que torna o momento ainda mais bonito.

  • “Nasceu mamãe” – Tiquequê

“E foi naquele dia depois de nove meses Quando a gravidez chegou no final Era hora! Faz força! Tá quase! É agora! Lá de dentro eu ouvi o sinal”


Amamentação

O primeiro vínculo com a mamãe após o encontro. As literais dores e alívios que o ato de amamentar causam também viram inspiração para criar.

  • “Leitinho” – Pequeno Cidadão

“Um leitinho é muito bom Um leitinho pro nenê Um leitinho é muito bom Para mim e pra você”


Criação dos vínculos afetivos

Uma fase não exclusiva das crianças, pois vai da barriga até a morte. O tempo inteiro estamos criando e mantendo vínculos.

  • “Reconhecimento” – Isadora Canto

“Bem-vindo meu novo ser cercado de proteção de tanto amor tanta paz Dentro do meu coração”


Introdução alimentar

Quando crescemos, o ato de comer se torna tão normalizado que esquecemos que nem sempre foi assim. A introdução alimentar é uma fase das crianças que pede muito carinho e persistência.

  • “Sopa” – Palavra Cantada

“O que que tem na sopa do neném? O que que tem na sopa do neném? Será que tem espinafre? Será que tem tomate? Será que tem feijão? Será que tem agrião? É um, é dois, é três”


  • “Prato Fundo” – Noel Rosa/Tiquequê

“Se como tanto Aprendi com a minha avó Na minha casa Só se come em prato fun-d-o-dó”


  • “Tá na Mesa” – Grandes Pequeninos

“Ei, tá na mesa! A comida está esperando Quem chegar primeiro Vai sentir o cheiro bom do ‘rango’ Eu vou já lavar as mãos Para encher meu barrigão Pra ter energia e sorte Eu vou comer pra ficar forte”


Escovar os dentes

Criar o hábito de escovar os dentes nos pequenos pode se tornar uma festa em vez de obrigação após as refeições.

  • “Escovando os dentes” – Helio Ziskind

“Quando eu pego a minha escova Eu só penso em rock’n’roll Rock rock rock rock E pego o cantinho Limpo com o fio dental”


Desfralde

Uma fase das crianças que pede paciência e respeito com o tempo de cada um. Às vezes rápida, às vezes prolongada, a fase do desfralde mostra a individualidade de cada pequeno na criação de autonomia com o simples ato de ir ao banheiro.

  • “Samba da fralda molhada” – Palavra Cantada

“Não sei por que Passa um tempinho Eu tô molhado E sempre tem Gente querendo me trocar”


  • “História do cocô” – Hélio Ziskind

“De tudo que é ruim Ninguém gosta de mim, Mas eu não tô nem aí, Eu sô cocô, E eu nasci assim”


  • “Xixi, Cocô e Pum” – Grandes Pequeninos

“Xiiiii… Deu vontade de fazer xixi Muito bem, muito bom, o banheiro é logo ali Enchi a minha bexiga, ah não me diga Então agora é hora de fazer xixi É muito fácil, ora essa, vem, vamos nessa Pois tem um banheiro logo ali Abaixe a calça, levante a tampa da privada e deixe fluir Depois se limpe direitinho, se arrume bonitinho E dê descarga Pronto, você fez xixi!”


Hora de dormir

Uma hora desafiadora para os pais que só querem ninar suas crias até que seus olhinhos se fechem em um sono tranquilo – e assim poderem descansar também, não é mesmo?

  • “Soninho danado” – Fadas Magrinhas

“Eu tô com um soninho danado Eu tô com soninho sim Meus olhinhos ficam fechando Mas fico ligado sem querer dormir”


  • “De noitinha” – Pequeno Cidadão

“Os grilos e louva-deus Cigarras, gafanhotos, sapos e besouros De noitinha

Começam a cantoria Que se estende ate o raiar do dia De noitinha”


Banho do bebê

O banho é um momento de criação de vínculo e afeto entre bebês e cuidadores. É também na hora do banho que surgem brincadeiras divertidas em um tempo gostoso e cheio de contato.

  • “Tchibum da Cabeça ao Bumbum” – Palavra Cantada

“Todo dia banho Desde o dia em que eu nasci Mamãe o que é que eu ganho Por que tanto banho assim ? E não adianta manha Ela joga água em mim De noite ou de manhã Desde o dia em que nasci

Tchibum, tchibum Da cabeça ao bumbum”


  • “Banho é bom” – Helio Ziskind

“Tchau, preguiça, tchau, sujeira, adeus, cheirinho de suor!”


Primeiros passos

Músicas para incentivar o caminhar e o balançar dos bebês, nesta fase tão importante para a criação de autonomia.

  • “Aos Teus Pés” – Grupo CRIA

“Cai, cai feito bola de sabão Cai, cai na rua do balão Se os teus pés não encostam no chão Usa teu joelho, mira no espelho Sabe que pra ir além terá que ir de mão em mão”


  • “Caiu, levanta” – Jair Oliveira/Grandes Pequeninos

“Desequilibrou, não segurou Foi só um susto Pronto, meu amor! Deixa ver Não feriu, não machucou? Levantou! Deixa eu dar um beijo Pronto já passou!”


Deixar a chupeta

Dar adeus à chupeta é um marco importante no desenvolvimento das crianças e simboliza um ganho significativo de autonomia. Mas, nem sempre é tão simples deixar este este objeto que representa conforto e acolhimento.

  • “Tchau Chupeta” – Pequeno Cidadão

“Vai, vai navegar Valeu obrigada Mas minha boca não é mais seu lugar Agora eu quero cantar Sem uma tampa de borracha pra me atrapalhar”


Primeiras palavras

A palavra é uma das formas mais sofisticadas de comunicação e alcançá-la exige tempo: até que ela seja dita, há um caminho cheio de etapas e estímulos para o aprimoramento da linguagem do bebê.

  • “Canção do Dicionário” – Helio Ziskind

“E dessa mistura de vozes Nasceu a língua que nós falamos Não seja ignorante, não seja preguiçoso Olhar no dicionário é bem gostoso”


Lidando com o medo

Assim como as crianças, todos nós ficamos amedrontados. Sentir medo faz parte do nosso processo de crescimento e a ausência dele não é sinônimo de coragem.

  • “Saiba” – Arnaldo Antunes/Adriana Partimpim

“Saiba, todo mundo teve infância Maomé já foi criança Arquimedes, Buda, Galileu E também você e eu”


Birra

Birra, manha, chororô, chilique. Não importa como você chama, o fato é que, uma hora ou outra, as crianças vão passar por isso. As tão temidas birras não precisam ser um tabu a ser reprimido a todo custo, pelo contrário: conversar sobre as emoções é fundamental para acolher as demandas emocionais dos pequenos.

  • “Bem Feito” – Badulaque

“Eu não posso fazer tudo aquilo que eu quero o que eu quero é fazer aquilo que eu queria não tem jeito, eu fiz, bem feito”


Desenvolvimento da identidade

A construção da identidade acontece a partir das interações da criança com o seu meio social: antes, no núcleo familiar e depois, na escola. É nesse momento que sua autoimagem começa a ser influenciada também pelas relações e convívio com outras pessoas.

  • “Cada um é o que é” – Helio Ziskind

“Nasci assim Não foi porque eu quis De qualquer jeito Eu vou ser feliz

Palma palma palma Pé pé pé Caranguejo não é peixe Cada um é o que é”


Socialização

A socialização começa em casa, mas é na escola em que esse processo é potencializado, quando a criança tem a oportunidade de conhecer novas pessoas e começar a construir relações interpessoais que irão ampliar seus parâmetros de comportamento.

  • “Cidade Ideal” – Os Saltimbancos

“A cidade ideal dum cachorro Tem um poste por metro quadrado Não tem carro, não corro, não morro E também nunca fico apertado”


Reconhecimento do outro

Uma fase das crianças que acompanha o processo de construção de identidade e socialização, quando ela começa a desenvolver a alteridade e a percepção de que existe um outro diferente dela. É a partir dessa percepção que é possível também construir uma sociedade que abrace as diferenças e a diversidade.

  • “Normal é Ser Diferente” – Grandes Pequeninos

“Tão legal, ó minha gente! Perceber que é mais feliz quem compreende Que a amizade não vê cor, nem continente E o normal está nas coisas diferentes”


Conflito entre irmãos

Brigas e competições entre os filhos é normal, mas esta relação não precisa ser um bicho de sete cabeças: é possível escolher o caminho do diálogo e da mediação.

  • “Os Irmãos” – Grupo CRIA

“Eu vou dizer, mãe, o que aconteceu Eu tava lendo o livro que você me deu E de repente veio ele estabanado Chegou bem aqui do lado E soltou um pum daqueles Quem começou foi ele!”


Aprendendo a dividir

Não é egoísmo da criança quando ela não quer compartilhar um objeto ou brinquedo. As crianças aprendem tudo pela repetição e pelo exemplo. Por isso, uma das formas de ensinar as crianças a dividir é nós, como adultos, exercitar a arte do compartilhamento na frente delas. O exemplo começa com a gente :))

  • “O que é meu é seu é nosso” – Helio Ziskind

“E quando vem um baixo astral Desses que a gente fica meio mal Jururu… Jururu… Nada como ter um amigo leal Pra gente desencanar E ficar legal”


Caiu o dentinho

Os primeiros dentinhos começam a cair por volta dos seis anos de idade e, apesar de ser uma fase dolorida, dá para criar diversas brincadeiras. Quem aí já escondeu os dentes embaixo do travesseiro para esperar a fadinha?

  • “Dente mole” – Tiquequê

O meu dente tá ficando mole Feito maria mole Tô achando que ele vai cair Dente de leite não é permanente Se a gente cuidar bem dele Um dente forte há de vir”


Alfabetização

Aprender a ler e escrever é mais do que decodificar palavras e sons. A alfabetização é um processo que envolve o contato, desde a Educação Infantil, com práticas sociais de leitura e escrita.

  • “A E I O U” – Grupo Triii

“Procurando bem Eu sei que tem No início do amor Eu vejo A, ah ah ah”


Fase dos porquês

Mergulharmos nas curiosidades e perguntas das crianças é uma forma também de aprendermos e crescermos com elas.

  • “Oito anos” – Adriana Partimpim

“Por que você é flamengo E meu pai botafogo? O que significa ‘impávido colosso’?

Por que os ossos doem Enquanto a gente dorme? Por que que os dentes caem? Por onde os filhos saem?”


  • “Será Serafim” – Carol Levy

“Será que a insônia Só quem tem é Sônia? Será que o lagarto Entrou pelo quarto? Será que Lígia É uma Gia? Será que Ana Só come banana? Será Serafim?”


  • “Pra quê?” – Badulaque

“Por que que a gente nasce E não se lembra de nascer Nem do que a gente fazia Quando era um bebê? Pra que que a gente sonha Se na hora de acordar Tudo aquilo vai sumindo Eu não consigo te explicar?”


Desenvolvendo a sexualidade

Esta é uma fase de desenvolvimento das crianças muito importante, mas cheia de tabus. O diálogo aberto e com responsabilidade favorece uma visão positiva do próprio corpo, e protege a criança e o adolescente contra uma série de fatores, desde traumas psicológicos relacionados a autoimagem até abusos sexuais.

  • “Bonequinha do papai” – Pequeno Cidadão

“A bonequinha do papai Vai brincar de pegador Descer no escorregador Vai sair pra passear Vai correr, vai velejar Vai pular amarelinha Seja fofa ou magrinha Vai brincar de cabra cega Vai correr com o papa léguas”


  • “Princesa e Guerreiro” – Badulaque

“Eu sou uma princesa fresca demais Não pode sujar meu vestido Senão não te deixo em paz

Eu sou um guerreiro sem causa Eu gosto mesmo é de causar E mesmo sem nada de errado Eu boto tudo pra quebrar”


Lidando com o bullying

O bullying é um ciclo complexo que envolve o contexto social e familiar, ressoa no ambiente escolar e de convívio e pode causar danos irreparáveis à criança. É preciso pensar que todo ato de agressão, seja ela psicológica, verbal ou física, é feito de três atores: quem faz, quem sofre, quem presencia. Por isso, não se trata somente de acolher as demandas emocionais de quem foi vítima da violência, mas também de quem a praticou. Dessa forma, conseguiremos formar crianças mais empáticas à dor do outro.


  • “Garota Solitária” – Grupo Rumo

“Responda então por que razão Eu vivo só sem ter um bem? Você tem o destino da lua que a todos encanta e não é de ninguém”


  • “Ciranda da Bailarina” – Adriana Partimpim

“Não livra ninguém Todo mundo tem remela Quando acorda as seis da matina Teve escarlatina Ou tem febre amarela Só a bailarina que não tem”


Quero crescer

Há uma fase em que a criança tem pressa para crescer e se tornar “gente grande” ou que ela não quer crescer para poder sempre brincar livremente – afinal, vida de adulto é mais chata, né?

  • “Quando eu crescer” – Éramos Três

“Será possível ser pequeno grande Menino vira meninão? Meu pai falou que de gente grande pequena Ele nem aperta a mão

Mas o tempo não pode Parar pra brincar comigo Ele anda muito apressado Corre dizendo que é pra aproveitar Pião, pare-bola e melado”

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo